1.8.17

OVAR – Origem etimológica

Jornal JOÃO SEMANA (15/07/2017)
TEXTO: M. Antonino Fernandes

Sobre a origem do topónimo Ovar, o P.e Miguel de Oliveira, em “Ovar na Idade Média”, houve por bem fazer uma pertinente recensão de cinco explicações, vulgarizadas em corografias, enciclopédias, etc., que ele tachou de falsas. Permito­-me recordá-las, em síntese:
1.ª - do verbo “Ovar – pôr ovos”, por Ovar “ficar na orla ma­rítima e servir de refúgio às aves”.
2.ª- = de Vale, por se estender num vale e os moradores trocarem o l por r e dizerem Bar por Vale;
3.ª - de Var, por haver em França um rio assim chamado, e os autores pensarem que se estabele­ceram aqui marinheiros franceses e lhe teriam dado também o nome de “Vila do Var”.
4.ª- do radical céltico balt, comparado com o grego bar e o árabe bahr, que daria o substantivo grego ò bar;
5.ª de Oduarii, antropónimo germânico, por haver na Galiza uma herdade chamada Ovar, que fora de um presor Oduário.
Ora a raiz Bal e Var, proposta nos n.º 2, 3 e 4, prova-se documen­talmente. Tanto assim que vemo-la bem clara na onomástica mevieval, já em 922, e, depois, em 1046, 1081, 1083 e 1151, primeiro como “porto de Obal” e seguidamente como “villa Obar” e “rio (ou ria) Ovar”. E, até mesmo arqueológica e cartograficamente, ela figura em “Lavara”, topónimo mencionado em Monarchia Lusitana, t. I, p. 130 verso, bem como em “Lava­re”, outro topónimo, sito na nossa costa marítima, entre as cidades Lancóbriga e Talábriga, como revelou Manuel Malícia em 1-8- 2013, no n.º 150 deste jornal.

DO ATLAS DE JOÃO TEIXEIRA (ALBERNAZ) - 1648
O mais prolífico cartógrafo português da 1.ª metade do século XVII
Sociedade de Geografia de Lisboa - Reservados 14 A-1

CLIQUE NO MAPA PARA AUMENTAR

Assim sendo, como se explica e justifica esta incontroversa raiz do topónimo Ovar?
Atendendo à sua situação ge­otopográfica, num amplo vale banhado pela ria e pelo mar, onde aportaram vários invasores, no­meadamente os Mouros, que do­minaram na área mais de 5 séculos, é natural que este vale fosse visto e nomeado por eles “ALBAHR”, pois este vocábulo significa “Lagoa e mar”, na lín­gua deles. A presença deles aqui é, aliás, também confirmada pelo topónimo ALMIARES, mencio­nado pelo sobredito P.e Miguel, o qual significa “celeiro, depósito de provisões”.
O dito vocábulo Albahr serviu também para nomear ALBUFEI­RA, no algarve, que se encontra em situação idêntica à de Ovar, e disso nos dão conta o Elucidário de Santa Rosa Viterbo e o Dicionário Onomástico de J. Pedro Machado.
De resto, o próprio P.e Miguel de Oliveira aponta-o no n.º 4, mas não se deu ao trabalho de o aproveitar e explorar, o que acho estranho, pois não tenho a menor dúvida sobre a origem árabe deste radical de Ovar.
Mas, o problema fundamental, em que esbarraram as sobreditas explicações, foi a origem do prefi­xo Ò (aberto), para o qual chamou a atenção o mesmo autor de “Ovar na Idade Média”.
O certo é que o prefixo ò é uma contração oral de ao e este ao resulta da junção da preposição latina ad com o artigo árabe Al, que “he huma partícula inseparável dum nome e serve para todos os géneros, números e casos”, como esclarece Frei Joan de Souza, em “Vestígios da língua Arábica”, pág. VIII. Este artigo Al deu la e le, em francês, donde se escrever Lavara e Lavare, já referidos; e os artigos definidos a e o, em vernáculo, os quais, juntos com ad, que perdeu o d por apócope, se aglutinaram em à (= aa) e ò (= ao). Isto, desde longa data, na língua oral, donde ser vulgar dizer-se: vou à ria; vou ò mar, vou ò Porto, etc.
Fica, assim, esclarecido e jus­tificado aquilo que os intérpretes, na sua visão onomástica, não atinaram.
É que o típico OVAR fala-nos duma origem histórica remota, que tem raízes profundas no mar. Disso não tenho a menor dúvida, nem receio contraditas.

Artigo publicado no jornal JOÃO SEMANA (15 de julho de 2017)
https://artigosjornaljoaosemana.blogspot.pt/2017/08/ovar-origem-etimologica.html

ADENDA -----------------------------------------

Leia AQUI mais informação sobre este Atlas do século XVII 
[clique nos links]

Na edição de 1960 dos Portugaliae Monumenta Cartographica é dado a conhecer um pequeno atlas de Luís Teixeira, que descreve a costa de Portugal, datado de 1648. Na época foram identificados quatro exemplares e mais uma cópia do mesmo. Na Nationalbibliothek de Viena existem dois exemplares deste atlas. No British Museum, em Londres existe um outro exemplar. Finalmente, em Portugal tinha sido também encontrado um exemplar, que se encontra na Sociedade de Geografia de Lisboa.

Sem comentários: